A Via Láctea

Jesus "A Via Láctea Tem Jeito" Jesus

A Existência Quem Tudo Criou Por Amor Yeshua Jesus

A Existência Quem Tudo Criou Por Amor Yeshua Jesus
Jesus O Rei do Universo Infinito Yeshua Nosso Eterno Senhor e Salvador

O Universo Deslumbrante

NASA Revela Imagens Jamais Vistas...

Jesus The King Of Infinite Universe

Jesus The King Of Infinite Universe
Quem Está Acima de Todas As Coisas * Anunciando a Jesus

Sábado É O Santo Dia Do Altíssimo

Sábado É O Santo Dia Do Altíssimo
Yahweh O Altíssimo Criou Todo O Universo Infinito e No Sétimo Dia Glorificou Todas As Suas Obras

Gênesis III - A Criação do Universo Infinito

Gênesis II - Give Glory The Lord

A Via Láctea

No Natal Jesus É O Aniversariante

No Natal Jesus É O Aniversariante
O Nascimento de Jesus, e não de Papai Noel Jesus O Rei Do Universo Infinito

Todo Aquele Que Se Voltar Para O Senhor Será Justificado

Todo Aquele Que Se Voltar Para O Senhor Será Justificado
Jesus O Rei Do Universo Infinito Yeshua Nosso Eterno Senhor e Salvador

Jesus - Yeshua Nosso Eterno Senhor e Salvador

Jesus - Yeshua  Nosso Eterno Senhor e Salvador
O Amor de Jesus Por Nós...Todo Aquele Que Se Voltar Para O Senhor Será Justificado

N~~ao Nos Importa A Aparência de Jesus

História das Galáxias



Observemos a história das galáxias na astronomia.
Os gregos cunharam o termo "galaxies kuklos", ou "círculo leitoso", como forma dedescrever a Via Láctea. Ela era uma tênue faixa de luz, mas não se fazia idéia do que ela era composta. Quando Galileu estudou a Via Láctea com o primeiro telescópio, determinou que ela era composta de numerosas estrelas. Há séculos sabemos que o nosso sistema solar se localiza dentro da Via Láctea, pois ela nos cerca. Podemos vê-la ao longo do ano em todos os quadrantes do céu, mas, no inverno do hemisfério sul e no verão do hemisfério norte, ela brilha mais, porque é nesse momento que se pode contemplar a porção central da galáxia. No entanto, para astrônomos do século 18 e períodos anteriores, não estava claro que a Via Láctea fosse uma galáxia, e não apenas uma distribuição de estrelas.

*** A anos-luz de distância ***
As galáxias ficam muito distantes umas das outras. A galáxia de Andrômeda, também conhecida como M31 (objeto Messier n° 31), é a mais próxima de nós e se localiza a 2,2 milhões de anos-
luz de distância. Os astrônomos geralmente medem distâncias intergalácticas em termos demegaparsecs:
um parsec = 3,26 anos-luz
um milhão de parsecs = um megaparsec
um megaparsec (Mpc) = 3,26 milhões de anos-luz
As galáxias visíveis mais distantes ficam a aproximadamente três mil megaparsecs ou cerca de10 bilhões de anos-luz

No fim do século 18, os astrônomos William e Caroline Herschel mapearam as distâncias para estrelas em muitas direções. Eles determinaram que a Via Láctea era uma nuvem de estrelas em formato de disco e que o Sol ficava perto de seu centro.

Em 1781, Charles Messier catalogou diversas nebulosas (manchas de luz esmaecida) em todo o firmamento e classificou diversas delas como nebulosas espirais.

No começo do século 20, o astrônomo Harlow Shapley mediu as distribuições e as posições dos aglomerados estelares globulares. Ele determinou que o centro da Via Láctea ficava a cerca de 28 mil anos-luz da Terra, perto das constelações de Sagitário e Escorpião, e que tinha a forma de um bojo e não de uma superfície plana.

Mais tarde, Shapley argumentou que as nebulosas espirais descobertas por Messier eram "universos-ilha", ou galáxias (retendo a terminologia grega). Mas outro astrônomo, chamado Heber Curtis, argumentava que as nebulosas espirais eram simplesmente parte da Via Láctea. O debate continuou por anos, porque os astrônomos precisavam de telescópios maiores e mais poderosos para resolver os detalhes.

Em 1924, Edwin Hubble resolveu a questão. Usou um grande telescópio (com diâmetro de 100 polegadas, maior do que os disponíveis para Shapely e Curtis) instalado em Mount Wilson, na Califórnia, e descobriu que as nebulosas em espiral tinham estruturas e estrelas, conhecidas como variáveis Cefeidas, semelhantes às da Via Láctea (essas estrelas mudam de brilho regularmente e a luminosidade que exibem está diretamente relacionada ao período em que estiverem em seu ciclo de brilho). Hubble usou as curvas de luz das variáveis Cefeidas para medir a distância entre elas e a Terra, e constatou que estavam muito mais longe que os limites conhecidos da Via Láctea. Portanto, essas nebulosas espirais eram de fato outras galáxias localizadas fora da nossa.